segunda-feira, 31 de outubro de 2005

Just because it's Halloween...

Poem to the dead

And they will
raise from their graves
to walk upon the Earth
and rule it as they please.
You’ll feel such fear,
you will not sleep at night
their nightmares
will keep you awake and yours
will give them strength.
Such panic.
Such mayhem.
Such chaos.
Never the Earth
will see again
Its brigthness
Its peace
Its sunshine
the darkness will
forever take over the
nature of beings.
Will this come?
Sooner than anyone can imagine
till than wander about this...

quinta-feira, 27 de outubro de 2005

quarta-feira, 26 de outubro de 2005

Impulse

Quem nunca agiu por impulso?
sem medir consequências
não hesitar, dar o salto
voar bem alto
mergulhar bem fundo
ser dono do mundo
nem que seja um segundo
seguir o pensamento
actuar no momento

terça-feira, 25 de outubro de 2005

Culpa tua

Adormeci a sorrir
pensava em ti
Como não o fazer?
(Isso não quero aprender)

Culpa tua
pensar em ti
faz-me sorrir
culpa tua
o brilho no olhar
culpa tua
desse sorriso doce
desse olhar meigo
culpa tua
fazes-me sonhar
culpa tua
voltei a acreditar

segunda-feira, 24 de outubro de 2005

Plágios...

Quando o que se quer dizer, já foi dito...

"Pedem tanto a quem ama: pedem o amor:
Ainda pedem a solidão e a loucura"

Poesia toda, Herberto Helder

- Do you believe in Destiny?
That even the powers of time can be altered for a single purpose...
The luckiest man who walks on this Earth is the one who finds true love.

Bram Stoker's Dracula, the movie

quinta-feira, 20 de outubro de 2005

De corpo a corpo

Na escuridão te adivinho
nas sombras te vejo
no nevoeiro te ouço
na multidão te sinto

o ritmo recomeça
de um corpo ao outro

adivinha-se a noite
vê-se a pele
ouve-se a música
sente-se...

corpo a corpo

segunda-feira, 17 de outubro de 2005

Borboleta

Quero ser livre!

Acho que qualquer declaração do que quer que seja deve começar assim...
Mas nada tenho a declarar... antes quero reclamar...

Hoje quero reclamar o Sol que não apareceu
soltar as amarras que me prendem a este espaço

quero reclamar o teu olhar iluminado
que hoje sei não poder ter
quero reclamar o teu toque macio
o que tarda em voltar
quero reclamar um sorriso
o meu
esse sim já apareceu

A liberdade de poder sentir de novo esperança
a liberdade de voar
Não prendo asas
não corto sonhos
não peço palavras
reclamo gestos

Uma borboleta nasce para voar!

quinta-feira, 13 de outubro de 2005

Tempo...

Volto ao tempo...
Tempo que corre
que me falta
que me engana e me trai

Quero tempo para perder
tempo para me encontrar
tempo para te ver
para te ter

o tempo que hoje não faz chover
não é o tempo que faz sofrer
o tempo que corre
não é o tempo de quem morre
não é o tempo que lamento
não é mais que um momento
é um tempo dormente
nas mãos de quem te mente

Tudo é tempo
a um tempo
a dois tempos
um andamento sem fim

Quero tempo
para ti
para mim

Tempo para viver

quarta-feira, 12 de outubro de 2005

Insónia

Ontem tentei dormir
mas não consegui
a tua luz inundou o quarto
o teu brilho na minha alma
fiquei hipnotizada com a tua perfeição
invejei a tua liberdade
sem conseguir dormir
tentei sonhar
com tanta coisa
ansiei pelo futuro
desprezei o passado
não liguei ao presente
só quis sonhar
imaginar—me junto de ti
e flutuar…
Ficar em ti a brilhar
partilhar a tua luz
dividir a minha dor
e esquecer…
Viver no teu solo
respirar no teu ar
sentir no teu corpo
e amar…
Lembrar as tuas lendas
recordar
pensar
dormir…
Sonhar com o belo
esperar pelos desejos
ansiar pelo querer
e acordar…
Mas viver com o teu brilhar

terça-feira, 11 de outubro de 2005

Quietude

Hoje não vi borboletas...
A chuva não as deixa voar...

Mas já não sinto saudades de sentir borboletas no estômago e sorrir...

Sempre cedi à turbulência do olhar
à intranquilidade de sentimentos

A tua calma apazigua-me
a tua paz contagia-me
perdi a vontade de mudar
agora quero ficar

segunda-feira, 10 de outubro de 2005

Achamento

A história de Pedro e Inês em bailado...

Foi a ver a história de Pedro e Inês que te percebi finalmente e voltei a acreditar, não em príncipes encantados, mas em ti.

quinta-feira, 6 de outubro de 2005

- te

Beijo na noite o luar
abraço uma estrela cadente

perco-me em sonhos e desejos
quero perder-me onde me fui encontrar

gestos que esqueço
sorrisos que lembro
olhares...
teus

sonhei-os meus

Regressos...

Acordei para um dia a correr...
Vou de fim-de-semana mais cedo. Há uns tempos, o lugar para onde vou, iria causar saudade... Talvez alguma dor... Acreditei que a vida fosse correr de outra forma. Não correu.

É estranho, mesmo não querendo, sempre faço projectos, talvez mais conjecturas. Quando as coisas não saiem bem assim... páro... olho para trás... olho para a frente! O caminho que aí vem é sempre melhor do que aquele que se deixou! É o que penso.

Agora que mais uma vez regresso àquela imensidão de serra, sei que regresso em paz... talvez porque vou ansiando regressar, talvez porque também sei que preciso descansar!

Os ventos ao final do dia são fortes. Levam para longe tudo o que não está seguro, tudo o que não é forte.
É poder daqueles ventos também levar sentimentos que não podem ficar no coração...

terça-feira, 4 de outubro de 2005

E a vida sorri!

"A história é uma sucessão de sucedimentos que se sucedem sucessivamente."

Tudo nesta vida passa...
Por mim, tudo passa muito rapidamente. Apaixonei-me e desapaixonei-me umas quantas vezes, à velocidade da luz. O meu grilinho falante que o diga! Acho que raramente saímos duas vezes seguidas em que lhe falasse da mesma pessoa! Convém esclarecer que já estivémos meses sem sair e não nos vemos todos os dias.

O certo é que tudo se sucede rápido demais.
A verdade de um dia é a incerteza do amanhã.
Eu gosto da vida assim... mas tudo muda, até a vontade de mudar!

26

O melhor presente: o inesperado!
Gracias!