quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Tempo...

Imagem: daqui

Tenho dias que queria que o tempo parasse... outros que voasse.
Tempo para mim. Ou apenas tempo. Calar os ecos que me ficam na memória. Apagar os receios. Tempo, apenas tempo. Para parar. Para recomeçar. Para seguir. Mas o tempo é imperdoável. Não pára. Passa. Tem dias que me trespassa. Olho-me ao espelho e procuro as marcas. As que me fiz. As que me fizeram. Não se vêem. Mas eu vejo cada uma. Olho e vejo cada mudança que o passar do tempo causou. Reconheço a origem de cada receio. Vejo a marca de cada decisão difícil. De cada escolha arrancada a ferros de mim. Tempo. Dá-me tempo...

domingo, 17 de janeiro de 2010

Get it right

A quantas pessoas dá a vida uma segunda oportunidade?
E quantas a aproveitam?
Não sei e não sei.
Mas também não me importa. Sei que eu tive essa oportunidade. A de poder começar de novo. De andar todos os passos. Um de cada vez. Às vezes ainda me sinto de passo inseguro, apenas porque tenho medo demais de perder o caminho. Talvez pelo caminho que já percorri, talvez porque não estou habituada a ter medo. Talvez porque tenha a noção de que a oportunidade de acertar é rara. Sem dúvida sei que é porque dou valor ao caminho com que a vida me abençoou.
Sei que é este o caminho, o que quero, o que escolhi.
Sinto-o como certo.
Faz-me sentido.

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Outra perspectiva do céu...

O ciúme é queimadura que faz o coração doer... É a pontada no estômago que retorce o sorriso, a sensação estranha que me percorre como descarga eléctrica sempre que vejo o teu toque noutro corpo que não o meu, mesmo que meramente ao de leve com laivos de automatismo...