terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Há tanto tempo...

Imagem daqui


mais uma noite em que parece que a tua luz não me quer deixar dormir... a tua luz... fragmentos de memória hoje atiçados... memórias que ninguém deveria ter... nem tudo precisamos viver... há jogos que não precisamos perder... passou tempo demais para que me lembre... não passou tempo suficiente para me apagar o receio de voltar a sofrer assim... não foram sequer as promessas, mas a crueldade que mais afundaram a cicatriz que me ficou, a que me aviva a memória sempre que ouço algo similar... a memória da dor não dói mas o tempo não a apaga... mas não é por isso que se deixa de viver... o receio que hoje senti não passou de uma gota num mar de certezas.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

A noite mais fria do ano

ou não.

Mas com o frio lembrei-me de gelo. Lembrei-me de fissuras, quebras e colagens. Pensei numa jarra de vidro. Se cair... pode estilhaçar, quebrar partes ou só rachar. Mas o certo é que a jarra não volta a ser a mesma. Por mais habilidade de artesão que possa haver. Fica sempre a marca, fica sempre a cola. A jarra pode voltar a ter o mesmo uso, mas não terá a mesma integridade, a mesma unicidade. Prefiro que a jarra não seja de vidro e que não tenha que me obrigar a estar "cheia de dedos" com medo que quebre. Prefiro algo mais resistente, mais natural. Não gosto que as coisas se quebrem. Não voltam a ser as mesmas. Definitivamente, prefiro o que me permite reagir por instinto, ser natural, ser eu.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Sempre

Vivo e perco-me e corro e escolho e penso e não penso e falho e caio e levanto-me. Ou não caio e sigo e arrisco e ganho. Ou não ganho e volto a tentar e a lutar até chegar... E chego ou não chego mas não paro... Não paro de pensar, de escolher, de sentir, de viver, de lutar... E sigo... sempre seguindo em direcção à luz, à escuridão... mas sempre caminhando e escolhendo, bem, mal... Que importa o real momento de escolha se não no momento de aceitar ou não aceitar e mudar ou não a escolha que se fez? Mudar o que se pensou sobre a escolha, naquele momento de decisão em que parecia a verdade do sentir e não é... ou é e deixa de importar quando se sente o tempo a passar... E passa como o vento forte que tudo muda com o seu passar... e assim é a verdade ou a mentira daquela escolha que se faz ou não faz e nos muda ou não muda, mas em nós fica a pensar e a sentir... Sentindo sempre aquela hora de escolha, de decisão que poderia ter sido mudança e não foi ou foi e se sente e não se esquece... Nunca se esquece o pensar, o sentir, o viver... e segue connosco o caminho da vida, na luz, na escuridão, na penumbra, na alvorada ou na madrugada. Sempre com ou sem luz, dia ou noite, vive, fica, sente, pensa, escolhe, segue... Continua a seguir. Sempre sem verdadeiramente parar... não se pára, hesita-se e pensa-se e escolhe-se e vive-se e assim é. Não se morre nunca enquanto a vida corre e nós corremos ao lado dela e não deixamos que nos ultrapasse ou atropele e seguimos. Sempre seguindo. Sempre pensando. Sempre escolhendo. Sempre sentindo. Sempre vivendo.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Another perfect day...

I'm glad I spent it with you.

Há dias assim... Começam bem, correm sobre rodas e mesmo a pequena nuvem que me apareceu acabou por se dissipar no teu abraço. Há coisas que não posso resolver.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Like a puppet on a string

Imagem daqui

Porque poderia ser uma marioneta na ponta dos teus dedos, se não te tivesse já entregue os cordéis do meu coração.