sexta-feira, 25 de abril de 2014

Early morning

Sem sono. Ou já sem vontade de dormir.
Contemplo as paredes do quarto, o dia que ainda não despontou em plenitude e quem dorme ao meu lado.
Dorme sereno, praticamente imóvel. Respiração tranquila.
Pergunto-me o que sonhará a cada movimento ocular.
Mas não importa. Não verdadeiramente. O mundo dos sonhos pertence a cada um.
Ainda é demasiado cedo. Preciso voltar a adormecer.
Talvez a cadência da respiração profunda que oiço possa ritmar a minha e eu volte a dormir.
A vida consegue ser tão simples, quando deixamos.
Sorrio e volto a adormecer.

domingo, 13 de abril de 2014

Mar

Sempre fui de impulsos. Geria a minha vida no turbilhão. O desassossego sempre me apaixonou. Pensava não ter sido talhada para mar de calmaria. No entanto, a vida foi-me moldando. No rodar do tempo, quem eu cria ser um desassossego que mais uma vez me iria impulsionar a virar a vida de pernas ao ar, tornou-se o meu sossego. Virei a vida, sim. Mas valeu a pena. Vale a pena.