quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Caiu a noite...

Não consigo deixar de pensar no corpo tapado no passeio. Caído do prédio adjacente.
Acidente ou um propósito de terminar a vida?
Uma mini multidão ficou atrás da linha policial. Passei e parei por segundos, para tentar perceber o aparato. Vi o pano no chão e reparei que as pessoas olhavam para uma janela. Percebi. Segui o meu caminho. Não sem deixar de pensar no porquê da queda.
Conheço os prédios, as janelas são altas... Na minha cabeça ficou a pergunta que nunca terá resposta. O que leva alguém a terminar a vida?
Não consigo sequer imaginar o grau de desespero, de impotência, de inutilidade. Não consigo nem quero ter ideia de qual o limite que despoleta numa pessoa o verdadeiro desejo de morrer. O limite que impõe uma acção definitiva.
Para aquela vida caiu a noite... Descanse em paz.

Fase*

Fases da vida. Sem arrependimentos.Tudo passa. Não deixa de ser a mesma vida. Não deixo de ser eu. Mas é tudo tão diferente.
Quando era adolescente ouvi a frase "não ter capacidade de encaixe" aplicada numa conversa que não deveria ter ouvido. Desde essa altura passou a ser uma preocupação ter essa capacidade. Acontecesse o que acontecesse não ia deixar que a vida me derrubasse.
Surpresas, sim. Choques, sim. Desilusões, sim.
E daí? A vida é mesmo assim. Só vale a pena levar a sério o que é importante. O truque está em saber fazer distinção.

fase 
(grego phásis, -eos, aparição de um astro, informação judicial) 


s. f.
Cada uma das modificações que se dão em determinadas coisas.

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Compromisso


Deixei a vida levar-me. Se em algumas alturas sabe bem, noutras, há que ter consciência que eu é que tenho de levar a vida.
E hoje é um dia tão bom como qualquer outro para ressuscitar a vontade.