quinta-feira, 28 de abril de 2005

Porto Sentido*

Quem vem e atravessa o rio

junto à serra do pilar

vê um velho casario

que se estende até ao mar


Quem te vê ao vir da ponte

és cascata sanjoanina

erigida sobre o monte

no meio da neblina


Por ruelas e calçadas

da ribeira até à foz

por pedras sujas e gastas

e lampiões tristes e sós


Essa teu ar grave e sério

num rosto de cantaria

que nos oculta o mistério

dessa luz bela e sombria


Ver-te assim abandonado

nesse timbre pardacento

nesse teu jeito fechado

de quem moi um sentimento


E é sempre a primeira vez

em cada regresso a casa

rever-te nessa altivez

de milhafre ferido na asa

Só se ama completamente uma cidade quando a conhecemos e nela nos sentimos em casa!

Eu senti o Porto assim e tive que me socorrer da letra do *Carlos Tê para conseguir dizer tudo o que senti e tudo o que sinto.

Senti-me abraçada por aquela cidade. Abraço-a como se fosse minha.

Cadeia Literária

Para responder à Cakau e porque a foto já está disponível!

Livraria Lello & Irmão

Não podendo sair do Fahrenheit 451, que livro quererias ser?
Um não inflamável!!! Mas se pudesse ser um livro queria ser o Dracula de Bram Stoker.

Já alguma vez ficaste apanhadinha por uma personagem de ficção?
Ui! Tantas vezes!
Quando era miúda por vários personagens dos livros da colecção Viagens no Tempo.
Na adolescência pelo Athos d' Os Três Mosqueteiros.
Mais recentemente pelo Dracula e também pelo Sirius Black.

Qual foi o último livro que compraste?
Clube de Dante de Matthew Pearl

Qual foi o último livro que leste?
Último acto em Lisboa de Robert Wilson

Que livro estás a ler?
Clube de Dante de Matthew Pearl

Que livros (5) levarias para uma ilha deserta?
Um livro em branco porque não passo sem escrever.
Um manual de sobrevivência.
Um livro de cozinha prática.
Felicidade de Will Fergurson.
Fairy Tales de Hans Christian Andersen.
Se fosse agora levava também o Dante Club para acabar de ler e depois de 16 de Julho Harry Potter & the Half Blood Prince.

A quem vais passar este testemunho (3) e porquê?
Às meninas do Figuras d'Estilo, porque gosto delas e porque me apetece dar-lhes um bocadinho mais de trabalho.
À Crisis, se bem que acho que ela não se vai dar ao trabalho, no meio de tanto que tem para fazer!
E assim já faz 3 pessoas!!!
Mas também gostava que me respondesse a SC, se bem que o cantinho dela não é propício a cadeias literárias.

E quem gosto de ler e visitar e a quem por aqui passar pode pegar e responder!

quarta-feira, 27 de abril de 2005

Entre você e Deus!

Muitas vezes as pessoas são egocêntricas, ilógicas e insensatas.
Perdoe-as assim mesmo.
Se você é gentil, as pessoas podem acusá-lo de egoísta, interesseiro.
Seja gentil assim mesmo.
Se você é um vencedor, terá alguns falsos amigos e alguns inimigos verdadeiros.
Vença assim mesmo.
Se você é honesto e franco, as pessoas podem enganá-lo.
Seja honesto e franco assim mesmo.
O que você levou anos para construir, alguém pode destruir de uma hora para outra.
Construa assim mesmo.
Se você tem paz e é feliz, as pessoas podem sentir inveja.
Seja feliz assim mesmo.
O bem que você faz hoje pode ser esquecido amanhã.
Faça o bem assim mesmo.
Dê ao mundo o melhor de você, mas isso pode nunca ser o bastante.
Dê o melhor de você assim mesmo.
Veja você que, no final das contas, é entre você e Deus.
Nunca foi entre você e as outras pessoas.

Madre Teresa de Calcutá
Esta mensagem andou perdida pelos meus mails, hoje "tropecei" nela e não resisti ao impulso de a publicar!

segunda-feira, 25 de abril de 2005

Obrigada pelo raio de luz!

Fui atingida por um raio!
Um raio de luz e felicidade!



Sempre me acompanhou no coração outra cidade que mal conhecia mas que me fascinava!
Não olhei para trás. Ao fim de várias tentativas frustradas, fui!
AMEI!
Cidade linda! Pessoas fantásticas!
Soube-me bem! Fez-me bem!
Voltei com a alma renovada e completamente fascinada!

Estou grata pela felicidade e tranquilidade que estes dias me proporcionaram.
Devo-o também às companhias que me acompanharam e me aturaram!
Obrigada!

P.S. Não coloco fotos da respectiva cidade porque ainda não estão disponíveis. Assim que estiverem continuo a minha devoção e os meus agradecimentos.

quinta-feira, 21 de abril de 2005

Idade de Mulher

Ouvi dizer que a mulher tem 3 idades:
- a que tem;
- a que quer aparentar; e
- a que lhe dão.

Algumas, como esta de que vos falo, só terão duas. A que tem e a que o coração dela tem.
E é no olhar dela que se reflectem as marcas de uma idade que não tem.
Olhos que mostram as rugas do coração.

Acho curioso, serem os olhos o que mais perto está do coração, acompanham-no com lágrimas alegres quando bate acelerado e desritmado, brilham quando está apaixonado e descompassado, choram quando sofre pequeno e apertado!
Tantas as marcas e todos os vincos que no coração são deixados!

Mas basta um olhar nos olhos da mulher para perceber a idade que o coração dela tem.
O dela está velho e cansado de tanto ser partido e magoado. Prefere ficar só e aliviado.
Esta mulher traz a vida no olhar, exibe-a com orgulho para que ninguém se engane.
Não acha que errou, sabe que sofreu, sempre que amou.
Não se arrepende da vida que viveu.
Agora apenas quer paz para o coração que lhe roga já cansado: "Mais amores não!"

É assim a idade desta mulher.
A luz do seu sorriso não ofusca o brilho do seu olhar.
É uma mulher que ainda sabe amar, com a coragem bastante para se deixar outra vez apaixonar.
Não o faz. Não o fará. Por respeito ao pedido de um coração que não quer ter de a abandonar.

quarta-feira, 20 de abril de 2005

O que as pessoas querem?

Todos procuramos incessantemente sem encontrar
algo ou alguém que nos faça apaixonar
um sonho para descobrir
um início para partir
um motivo para viajar
todos queremos sonhar
do fundo da nossa alma buscamos sem parar
todo o nosso ser não se cansa de procurar
e procuramos
aqui e além
no próximo e em mais alguém
mesmo que faça sofrer
queremos ir até ao infinito
do sonho ou do mundo
algo que nos reviva num segundo
alguém que seja profundo
sonhamos e procuramos
e continuamos a procurar
sem algo ou alguém nunca chegar
mas não deixamos de sonhar
um dia havemos de encontrar…

terça-feira, 19 de abril de 2005

Hear me...

Tell me what I need to hear...
Is that to ask too much of you?
Just one word would set me free... Say it! Before it's too late... One day I'll go away, you know it... Couldn't you just set me free?
This is not meant to be.

sábado, 16 de abril de 2005

Upside down



a árvore que secou e se reinventou
vai voltar a crescer assim
porque se deixou secar
porque se permitiu reinventar

quinta-feira, 14 de abril de 2005

Pecadora

Dá-me vontade de ficar sem nada fazer, pensar em belos momentos de prazer, orgulhar-me do que sinto e guardar só para mim, na memória cada pedacinho que adoro e fico fora de mim só de pensar em dividir estes momentos e irrita-me que alguém os tente adivinhar no sorriso ou no olhar e não páro de pensar.

quarta-feira, 13 de abril de 2005

Dia do Beijo

Acabei de ouvir que hoje no Brasil é dia do Beijo!
Pois que seja!
E nós, por cá, que importamos tantas modas e tradições, importemos mais uma!
Celebremos hoje o dia do Beijo!
Beijemos na testa todos aqueles que respeitamos!
Na face todos os nossos amigos!
No boca quem amamos!
No nariz ou em qualquer outro lado!
Hoje pelos vistos, no Brasil, o importante é beijar!
Que seja também por cá importante beijar!
Demonstrar o afecto!
Às vezes esquecemo-nos de como é bom beijar e ser beijado!
Hoje (e sempre) beijem MUITO!

Beijos! Baci! Kisses! Besos! Baisers! Küsse!

terça-feira, 12 de abril de 2005

Discos pedidos*

sinto-me queimar com o fogo que trazes no olhar
olhas-me descarada e intensamente
adivinhas o que sinto
sentes-me vibrar
não consigo corar
sei o que pensas
perco a vergonha e o pudor
que só tu sabes ultrapassar
pressentes que te trago comigo
a cada olhar
começo a sorrir
gosto
não posso negar
pouca luz há a iluminar
o caminho de duas almas
que se estão a tactear
quando já não é preciso falar


*da Marisa para ti
(presumo que saibas que é para ti, ela preferiu manter-te anónimo)

segunda-feira, 11 de abril de 2005

domingo, 10 de abril de 2005

Regresso a casa



Acendo a luz para a casa não parecer deserta.
Saio para esperar por ti.
Sem ti a casa sente-se vazia. A luz que a ilumina não a aquece.
A luz vai ficar acesa para quando chegares a veres ao longe e me veres sentada na entrada à espera de ti.

sexta-feira, 8 de abril de 2005

Old habits die hard

Mergulhei fundo num mundo não esquecido que julguei ter perdido.
Queria tempo para perder e duas vidas viver.
Não tenho, ninguém mo dá.
Revi, revivi, renasci.
Não adianta negar, renegar, apagar.
Voltei, voltou.
Estava tudo lá.
Não me neguei.
Vivi.

A Sul do Paraíso

Sinto-me a Sul do Paraíso.
Se rumar ao Norte, talvez por sorte me encontre a meio caminho de um Destino que se concretiza sozinho.

Ouch!

- Menina eu avisei!
Quem brinca com o fogo, queima-se!

quarta-feira, 6 de abril de 2005

Música na noite

escrever por escrever
de uma realidade que não há
sentir por sentir
um sentimento que passa
passa e me fascina
com o seu passar
com o seu olhar
esse homem que vejo
conheço sem conhecer
um vulto que me prende
um sonho que imagino
no meio da multidão
uma trovoada de desejos
numa tempestade incerta
o mundo gira
volta a girar
eu perco-me no teu olhar
e a música não pára
não deixa de tocar
e eu não páro
continuo a dançar
sempre a olhar
no vazio a sonhar
à espera de te ver
de te sentir passar
sonho...
continuo a sonhar
mas só imagino
não vivo
nem vou viver
é um tumulto que vai e vem
no balanço do corpo
sempre a dançar...
e pára!
A música acaba
e deixo de sonhar!
05_Março_2004

Sem assunto

E quando as ideias se amontoam e se atropelam e me atordoam?
Não as consigo escrever.
Fico perdida sem saber o que fazer.
Se escrevo, entremeiam-se umas nas outras e releio e não lhes encontro sentido.
Se não escrevo, ficam só comigo e gritam, querem sair e voar, precisam de ar.
Hoje não quero, vão ficar onde estão!
Às vezes temos de saber dizer não!

terça-feira, 5 de abril de 2005

Uma manhã

Às 10h de um Domingo já ela estava à porta dele.
Acordou cedo, decidida a ir recuperar o que era seu. Foi calma, segura, da sua casa à dele.
Noc. Noc.
Ouviu barulho no interior. Alguém se dirigia à porta.
- Quem é?
- Sou eu.
Ele abriu a porta de imediato.
- Oi! Estava no banho!
Ela percorreu-lhe o corpo com o olhar e permitiu-se um sorriso.
- Nota-se... Estás sozinho?
- Estou. Sorriu. Entra.
Dirigiu-se à sala e sem uma palavra, sob o olhar distante com que ele a examinava, começou a retirar alguns livros e cd's da estante.
Ele, calado, retirou-se da sala. Regressou trazendo na mão algo que ela reconheceu. Um pijama.
O olhar dele gelou.
- Se já não vale a pena... Não há mais nada a fazer. Leva isto também.
Já tens tudo o que vieste buscar?
Parou o que estava a fazer e olhou-o nos olhos.
- Não. Também quero que me devolvas o meu coração.
- O quê?!
Ficaram a olhar-se. Trocaram um beijo.
Ela afastou-o.
- Deixa. O meu coração já não está aqui.

domingo, 3 de abril de 2005

Vício Privado

estás longe
vejo-te perto
sigo os teus passos
conheço de cor
cada traço do teu corpo
cada fio do teu cabelo
o timbre da tua voz
o tom dos teus olhos
memorizo gestos
decoro olhares
sonho sorrisos
tu sabes o que sinto
eu que te sei de cor

Acordar...

Acordei num quarto mal iluminado com o barulho da chuva a cair lá fora.
Saí da cama só para iluminar o quarto e abrir a janela.
Voltei para a cama ainda quente. A chuva cai lá fora.
Fiquei a ver a chuva a cair, agarrada à almofada a sonhar sem querer escrever sobre o que me faz sorrir e brilhar num dia tão sombrio e chuvoso!

sexta-feira, 1 de abril de 2005

Carta de 3 dias

Dias que chegaram e não me chegaram.
Cansei-me de frio e de chuva. Fartei-me de mato e de pó.
Foram dias que julguei ter planeado quase sem ti.
Estava à tua espera quando chegaste. Fiquei meio atordoada, felizmente salvou-me o sorriso daquela criança que brincava.
Quis abraçar-te e beijar-te, como se faz a quem nos faz amar. Mas não! Porque não?
A cada momento de proximidade senti a vontade travada.
A cada despedida fiquei sempre pensativa.
Na última noite estava tão embrenhada a pensar que me esqueci de dormir. Só me apercebi que não tinha dormido quando fui sobressaltada pelo sino.
Aí percebi que apesar de estar a sonhar, não estava a dormir.
Como por magia, apareceste... Sorri e consegui adormecer.