sexta-feira, 28 de abril de 2006

Brotoeja

As pessoas... cada uma é diferente da outra. Cada uma tem as suas características, sejam vistas como qualidades ou defeitos!
Há características que, no entanto, me incomodam! Normalmente, andam associadas àquelas pessoas "boazinhas"! Sabem do que falo?! Refiro-me a pessoas que estão sempre bem dispostas e sempre disponíveis, não tem um único dia de mau humor: são as que tratam os outros sempre por um qualquer diminutivo ou termo carinhoso, mal acabam de as conhecer! O timbre de voz é característico:um adocicado enjoativo.
Pode ser culpa do meu mau feitio, mas há pessoas cuja presença se torna insuportável! Prefiro pessoas que tenham dias bons e dias maus! Que saibam abrir o sorriso e franzir a testa! Gosto de pessoas que sejam humanas!!!


Foi apenas uma desabafo de uma semana que, com apenas três dias, se tornou longa demais!

quarta-feira, 26 de abril de 2006

Sem assunto

É difícil escrever quando as mãos não querem.
Como habitualmente, sento-me, olho para o écrã em branco e fico à espera de uma ideia para escrever.
Surgem umas quantas, as indizíveis. Surgem outras, as inexplicáveis.
De repente percebi que hoje se torna complicado escrever. Não percebo porquê. Mas o facto é que é difícil. Quero contornar os pensamentos, desviar-me dos sentimentos e só escrever. E é isso que não estou a conseguir fazer. Enquanto escrevo, o pensamento lateja ao ritmo do pulsar do coração. E não páro de pensar. Estas palavras saiem pelas pontas dos dedos sem que me aperceba. Como aliás, quase tudo hoje, funciona mecanicamente. Despertador tocou. Acordei e levantei-me. Os preparativos da manhã foram sincronizados com o relógio. Tic Tac. Saí de casa e o dia já tinha começado...
Continua complicado escrever.

segunda-feira, 24 de abril de 2006

Divulgar

Seguindo a corrente que me foi apresentada pela mar...

Eu escolho divulgar a Ajuda de Berço.
Pode ser frase feita, mas as crianças são mesmo o futuro.



A Ajuda de Berço foi fundada em 1998.
Tem como função acolher crianças dos 0 aos 3 anos, necessitadas de protecção urgente, face a situações que as coloquem em risco.
A Ajuda de Berço promove, defende e dignifica a vida humana.
Apoia mulheres grávidas sem condições e os filhos delas nascidos; acolhe e encaminha crianças entre os 0 e os 3 anos de idade que não possam viver com os pais ou familiares.
A Ajuda de Berço está aberta todos os dias da semana, 24h por dia, durante quase todo o ano, para que o acolhimento contínuo das crianças seja possível.

Todos podemos ajudar.

Passo este desafio, sem qualquer obrigação (como é óbvio), à Jessica & Mafaldinha, à Cakau e à Moriana.

quinta-feira, 20 de abril de 2006

Friends

Acho que todos temos amigos e Amigos. Pelos menos, eu sei que tenho. Tenho Amigos que considero Família. Não importa a distância. Não importam os caminhos. Mas estão sempre lá, quando precisamos de um ombro ou mesmo quando não precisamos. Os Amigos estão lá e estão cá. Marcam o espaço deles no coração e é onde ficam.

That's what friends are for. For everything and to keep in the heart.

terça-feira, 18 de abril de 2006

Masterpiece

o teu rosto
cada traço foi inspiradamente delineado
cada sinal destinado a marcar-te
a cor dos teus olhos subiu do mar
o sorriso desceu do Sol
a terra deu-te a cor
a Lua faz-te brilhar

segunda-feira, 17 de abril de 2006

Carta de 3 dias (II)

O regresso sem ti não teve o mesmo encanto.
Pensei que iria ter mais saudades. Estranhei não ter. No entanto, pelo caminho sei que te vi, sem te ver.
Não tive coragem de ir aos lugares que são nossos. Não te quis chamar.
Foram três dias sem descanso, felizmente, não tive tempo para parar.
Não tive tempo para pensar. É difícil estar sem falar. Tive que recorrer a muitos artifícios para não sentir.
Custa o motivo da tua ausência. Senti saudades de te ouvir na serra.
Confesso não te amo.
Confesso é uma carta de saudade.
Confesso é uma carta de esperança.
Não sei se te quero voltar a amar. Mas sei que te voltar a ouvir. Quero voltar a ver-te. Quero voltar a dançar.

terça-feira, 11 de abril de 2006

Anjo?

Jogas um jogo perigoso. Moves-te sempre uma jogada à frente. É difícil acompanhar as tuas regras. Nem todos querem brincar. Traçaste um objectivo impossível. Inantingível para muitos, mas tu crês ser possível. Já te perdeste. Voltaste ao caminho. A cada estrada perdida, aprendes. Já te voltaste a perder. Quiseste voltar a errar. Deixaste o caminho. Caminhas ao lado do trilho que a vida te ofereceu. Podias ter o caminho a direito. Negaste-o. Preferes jogar. Hás-de voltar ao caminho. Ou não. Queres os obstáculos que não previste. Queres os erros que sabes não poder cometer. Caminhas no limite porque crês não cair. A vida não te traçou a linha. Ou não deixas que ela te limite. O caminho não é nada. Não há um rumo definido. A vida não te define. Molda-te. Ou moldas-te de acordo com a linha que vais seguir. Ouves os outros. Não escutas o que te dizem. Sabes a rota que segues por instinto, no impulso decides onde mudar. Hás-de voltar ao caminho. Ou não. Esse é o teu caminho.

segunda-feira, 10 de abril de 2006

Running forward

Hoje o passado é um lugar estranho.
Não quero voltar.
Não consigo sequer olhar.

Estranho.

Não voltei mais.
Não olhei mais.
E o passado ficou onde devia ficar.

quinta-feira, 6 de abril de 2006

In my soul

I do

ausente
o teu corpo no meu
premente
o beijo que não demos
ardente
o nosso calor
insolente
o nosso amor

I sttil feel you I still miss you I still belong to you

terça-feira, 4 de abril de 2006

Dilema

Quero mas não posso?
Não deveria ser assim…
Noite confusa…
Dia estranho…
não consigo voltar a sonhar…
Eu tentei…
Deixei de tentar…
Seria tudo bem melhor
Qual sonho
ou pesadelo…
o certo pelo incerto
a calma pelo desatino…
Prefiro o fogo
loucura
sombra que me persegue…
Não quero esperar
Não quero sonhar
A perfeição não me satisfaz…
Sentir o calor do fogo
que me faz viver
a cor do sangue
Amor, dor, paixão
De outra forma não...