terça-feira, 31 de agosto de 2010

terça-feira, 17 de agosto de 2010

The dark (in)side

Resisti. Evitei escrever. Escondi-me. Escondi papel e caneta. Fugi do ecrã em branco. Fugi de mim. Recusei a escuridão que se aproximava de mansinho. Neguei a solidão que parte de mim sente. Mas numa sala cheia de gente e ruído, assumo a minha verdade. Sinto-me só. Em momentos. Em sentimentos. Sinto a escuridão em mim. Envolve-me no seu manto de silêncio. Abraça-me e embala-me nos momentos de medo. Descobri que parte de mim tem medo. Receio do futuro. Receio de não estar à altura. Recolho-me em mim. Refugio-me. Enrolo-me no meu silêncio. Em mim. Sempre fui só. Sempre dependi de mim. Já houve uma altura em que assim não foi e sofri. Sofri por errar. Errei. Assumi e segui. Não quero continuar assim. Não quero este lado que me isola do mundo. Que me isola de mim. Não quero mais este silêncio. Custa-me não calar o que sinto. Custa-me assumir fraquezas, receios, anseios. Dói-me ver a sombra. Calo. Silencio. Sigo o caminho. Há-de sempre ser o que for.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Foi só a brincar

Gosto de escrever sobre amores e desamores. Gosto de escrever sobre amizade e amigos. Há uma amiga que já faz parte da minha vida desde a adolescência, já faz parte há tanto tempo que chamar-lhe amiga acaba por ser limitativo. Passam anos com a mesma leveza que passam as horas quando nos juntamos. Falamos de tudo. Sabe-me sempre bem o tempo que passamos juntas. Ela sempre conseguiu fazer-me ser melhor pessoa, do que na realidade sou. Hoje não me contive, mesmo depois de ter dito que o faria. Mas é uma circunstância apetecível por demais para me remeter ao silêncio.
Enfim, para mim, resume-se numa linha.
Rapariga conhece rapaz... o resto, o tempo o dirá.